jump to navigation

Pro Evolution Soccer 2011 – Um passo em frente Outubro 5, 2010

Posted by nunomachado in Análises, Playstation 3.
trackback

Os adeptos do “futebol de sofá” começaram finalmente a época. Os dois grandes jogos que alimentam estes fãs, “Pro Evolution Soccer” ou simplesmente PES, e a série FIFA, já estrearam as suas “equipas” e falta agora saber qual será a melhor. A versão 2011 de PES colocou as expectativas muito elevadas, depois das anunciadas mudanças na série que alguns anos a esta parte perdeu a liderança para o rival FIFA. Em parte, essas expectativas foram cumpridas, mas falta entrosamento, um fio de jogo para ser uma equipa vencedora.

Entrando dentro do campo, as alterações na jogabilidade são a grande novidade de PES 2011. Para o bem ou para o mal. O controlo dos jogadores é agora mais fluído, mais realista, menos dado a grandes slalons. Ou seja, dificilmente se consegue jogadas individuais com sucesso, para tristeza dos fãs de Messi ou Ronaldo, apesar do novo sistema de fintas, que podem ser facilmente seleccionadas a partir de botões configuráveis. Por outro lado, o jogo obriga a opções de jogo mais colectivas e é aqui que entra o novo sistema de passes. A força e a direcção são fundamentais, caso contrário há muitas bolas perdidas. Melhora a vertente de simulador, diminui o factor árcade. Ao mesmo tempo, a colocação dos jogadores em termos tácticos é fundamental, pois com a crescente importância dos passes a colocação dos jogadores em campo é fundamental para um estilo de jogo como o “tique-taca”, praticado pelo Barcelona ou pela selecção espanhola. As defesas também melhoraram, com melhor colocação em campo e maior facilidade no desarme. Para ajudar à festa, foi introduzida uma opção para aumentar ou diminuir a velocidade do jogo, de acordo com os gostos de cada jogador, o que é de saudar.

Apesar de todas estas melhorias, devido a uma nova jogabilidade, muito há por melhorar. O sistema de passes evolui e bem, mas necessita de ser afinado. Por vezes, a mesma pressão no botão resulta em diferentes forças do passe. Imagina um simples toque que deveria dar origem a um passo curto, mas sai um passe longo? Já agora, se um jogador estiver na área e na direcção da baliza e o botão do passe for pressionado com força máxima, é provável que o resultado seja um… golo. Esta situação repetiu-se uma mão cheia de vezes e deveria ser revista. Outro problema são os árbitros. Irrita ver nas repetições que em grande parte das faltas assinaladas não existem. Para piorar a situação, grande parte dos jogadores desta versão são especialistas em livres directos. Como tal, cuidado com as faltas à entrada da área, pois existe uma probabilidade alta de resultarem em golo. Uma última palavra para os guarda-redes, bem mais competentes e com menos bolas defendidas para a frente e mais para os lados.

Nos modos de jogo, não existem muitas novidades. A única merecedora de elogios está na inclusão da Taça dos Libertadores, a Liga dos Campeões da América do Sul, e da Supertaça Europeia. De resto, mantém-se a Liga dos Campeões, com mais equipas licenciadas, mas longe do número total das equipas que participam nesta competição. A Master League também sofreu algumas alterações, com elementos mais próximos da gestão de uma equipa de futebol, mas a principal alteração está na possibilidade de jogar a Master League on-line. Já agora, a rapaziada da Konami não teve tempo para actualizar os plantéis? Já basta os nomes estranhos nas equipas não licenciadas, o jogador ainda tem que se preocupar em fazer as transferências…

Na parte gráfica, PES 2011 também evoluiu. Notam-se inúmeras animações novas e que melhoram a experiência de jogo, bem como a preocupação colocada na recriação dos jogadores. Principalmente dos mais conhecidos, pois outros continuam longe da realidade. Exemplo? Carlos Martins ou Sidnei, entre muitos outros. Contudo, o editor do jogo está mais robusto, principalmente em relação aos estádios, algo novo nesta edição, o que permite mais opções de personalização ou modificação. Outra alteração gráfica está na barra de energia opcional que surge sobre cada jogador, o que ajuda a visionar quando um jogador está pronto para ser substituído.

Em resumo, PES 2011 está melhor, com uma jogabilidade em que o erro está presente ao virar de cada esquina, perdendo mais o carácter de árcade, que ainda mantém, e ganhando um pouco mais de simulador, aproximando-se da série FIFA. Há mais licenças, mais animações, mais realismo. Falta uma Master League mais completa, com mais licenças, mas pouco mais para ser novamente o líder do futebol virtual.

Comentários»

1. Daniel Paulo - Novembro 6, 2010

Jogando a Master League no PS2, ao procurar jogadores para compra, não aparece os status do jogador como força, agilidade, chute… Isso é normal, alguma nova alteração ou é erro mesmo do meu PES2011?

2. joaopedro - Novembro 15, 2010

muito loco pes 2011 eu me amarrei mas so que tem uns atualizações que nao tem como o ibra no milan robinho tambem porque se é pes 2011


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: