jump to navigation

Killzone 3 – O regresso de Sevchenko Março 3, 2011

Posted by nunomachado in Análises, Playstation 3.
trackback

Se “Killzone 2” já tinha sido uma pedrada no charco entre os jogos de tiro na primeira pessoa, “Killzone 3” mostra que a série está de boa saúde e como o vinho do Porto. Mais uma vez, os temíveis Helghast e os olhos flamejantes dos seus fatos voltam a desafiar a ordem mundial e, também mais uma vez, será a Interplanetary Strategic Alliance (ISA) a enfrentar estes lunáticos, uma espécie de nazis dos tempos modernos.

O jogo começa com um flashfoward, em que um elemento da ISA vai ser executado, mas o protagonista, Tomas “Sev” Sevchenko (qualquer semelhança com o futebolista é pura coincidência), evita a execução, pois tinha sido o escolhido para o fazer, mas disfarçado de Helghast. Isto, já depois de uma sinopse inicial, explicando que Scolar Visari, todo-poderoso do planeta Helgan, foi morto por Rico, o fiel ajudante de Sev, e o poder está nas mãos do General Orlock e Jorhan Stahl, o homem que controla a indústria de armamento do planeta.

Para chegar ao momento em que Sev revela que estava disfarçado de Helghast a história recua e leva Sev e Rico para uma turbulenta história de acção e guerra, cheia de reviravoltas e muitas discussões. A jogabilidade continua a ser o grande ponto forte de “Killzone 3”. O atira e esconde continua a funcionar na perfeição, sinal que o sistema de protecção é bastante eficaz. E ainda bem que assim é, pois a inteligência artificial do jogo está acima da média, com os Helghast a disparar com critério e precisão e a utilizarem técnicas de emboscada elaboradas e que obriga Sev a procurar constantemente os mais diversos pontos de protecção. A ementa de armas é variada e de grande qualidade. Pistolas, metralhadoras, lança-chamas é algum do arsenal disponível. Existe ainda a possibilidade de conduzir e disparar através de diversos veículos e o aguardado “Jet Pack”, numa altura em que a acção sobe ainda mais de tom.

Uma agradável surpresa é a utilização do Playstation Move, em conjunto com Navigation Controller, levando o jogo para outros níveis de espectacularidade. Esta também pode ser vista no aspecto gráfico, com um motor de jogo pujante, cenários diversificados e carregados de detalhes e cores saturadas que conferem um ambiente único. No som, destaca-se a opção de escolher a língua portuguesa, apesar de alguns diálogos menos conseguidos. Mas, as discussões entre Rico e o seu superior são deliciosas.

Uma palavra para o modo multiplayer, um dos melhores do género, com destaque para o modo por objectivos, com mapas que nunca mais acabam, e um sistema de evolução muito completo. Em suma, “Killzone 3” é um jogo extraordinário, um candidato muito sério a melhor FPS do ano.

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: